terça-feira, 15 de dezembro de 2009

Anorexia






  • “Na história da arte, a gordura sempre foi um padrão de beleza. As mulheres gordinhas reinavam absolutas em quadros de artistas como Renoir”. Hoje, uns quilinhos a mais são por vezes vistos como uma catástrofe, levando a soluções desastrosas que atentam contra o próprio ser …


    A alimentação faz parte das necessidades básicas dos seres humanos. No entanto, o modo de nos alimentarmos varia grandemente de pessoa para pessoa. Algumas pessoas comem mais, outras menos. Alguns engordam com facilidade, outras não.
    Mas tal como em todas as coisas é no equilíbrio que está a regra e sempre que este se rompe surge o problema.

    Algumas pessoas chegam ao extremo de se magoarem a si mesmas, comendo em excesso ou restringindo a sua alimentação de uma forma abusiva. Nestes casos, podemos falar, respectivamente, de bulimia nervosa e anorexia nervosa.


    O que é a Anorexia?


    A anorexia é uma perturbação do comportamento alimentar, que se traduz pela vontade constante de perder peso que resulta na recusa de se alimentar.
    FrequênciaEm termos de frequência esta doença atinge essencialmente as mulheres: adolescentes e adultas jovens representam 90% dos casos. Sabe-se que há uma grande quantidade de pacientes com distúrbios alimentares internadas em hospitais e que aproximadamente 20% das mulheres anorécticas morrem. Também os homens podem padecer da doença, apesar de pouco frequente.


    Factores de Risco

    Aprendizagem de um comportamento alimentar desviante
    Tentativa de alcançar ideais de beleza transmitidos pelos media
    Falta de amor próprio
    Pessoas que passaram por eventos traumáticos, como rejeição familiar ou abuso físico e/ou sexual, possuem um maior risco de serem anoréxicas
    Profissão com limites rígidos de peso (bailarino, ginasta, modelo), que na tentativa de perfeição descontrolam a sua dieta tornando-se um factor de risco
    Dietas descontroladas (ao contrário das "dietas comuns” não termina quando o peso desejado é alcançado, a dieta e a perca de peso subsistem até que a pessoa atinge níveis de peso muito inferiores aos esperados - Cerca de 1/3 das pacientes com anorexia tinha peso a mais antes de iniciar tais dietas.


    Sintomas mais frequentes?
    Perca excessiva de peso – peso corporal muito abaixo do nível normal.
    Prática excessiva de exercício físico
    Medo irracional de engordar com Restrição da alimentação - cada vez mais acentuada de alimentos até ao ponto de só serem ingeridas saladas, fruta ou vegetais. Os anoréxicos vêem peso onde não existe, ou seja, o anoréxico pensa que tem um peso acima do normal.
    Negação quando questionado sobre o transtorno.
    Períodos menstruais irregulares ou inexistentes (com possível impossibilidade de gestação)
    Baixa auto estima
    Toma de comprimidos dietéticos
    Dismorfia - a doente vê-se e sente-se sempre gorda
    Atrofia do desenvolvimento físico
    Desenvolvimento de fragilidade óssea com atrofia dos músculos
    Dores de barriga persistentes
    Depressão
    Dificuldades de concentração e raciocínio
    Cansaço
    Anemia
    Possível crescimento de pêlos no corpo
    Comportamento obsessivo com o corpo e a alimentação


    Tratamento
    O tratamento passa pelo reconhecimento de que a perturbação alimentar se instalou. Assim, quanto mais depressa a doente a família e os amigos admitirem que algo não está bem, melhor, pois mais rapidamente podem ajudar no processo de cura. Este processo para ser eficaz deve ser coordenado entre a equipe técnica e todos aqueles que mais directamente privam com a doente. Sempre que possível a terapia deverá ser individual e em grupo (específicos para anorécticos).
    Assim, é indispensável recorrer ao médico de família que encaminhará para um médico psiquiatra e um psicólogo, preferencialmente numa consulta especializada, pois a anorexia pode mesmo levar à morte. Sempre que necessário todas as figuras de ligação importantes devem também ter apoio psicológico/psiquiátrico de modo a melhor compreender e ajudar a paciente.


    Conselhos
    A todas as crianças desde muito cedo devem ser ensinados hábitos de alimentação saudáveis.
    Todas as dietas devem ser acompanhadas por profissionais competentes (nutricionista, dietista, médico).
    As refeições devem ser um acto calmo e em família.
    A actividade desportiva deve ser praticada de forma moderada e acompanhada.
    Cada um deve perceber que cada pessoa é única, não tem de ser igual aos ideais de beleza transmitidos, para estar bem. Cada um tem a sua beleza própria e particular que faz dele uma pessoa única.
    Sempre que surja alguma dos sintomas descritos na sintomatologia deve consultar um médico ou psicólogo a fim de dissipar dúvidas e se necessário dar inicio a uma intervenção.



Artigo da autora do blog publicado em: Dossier Saúde 16 – Revista huniversal Cruz Vermelha Portuguesa - Núcleo de Tavira. N.º23/24. – 2º trimestre de 2007.
http://cvptavira.com.sapo.pt/Huniversal%2024/Destacavel_saude_16.pdf

Sem comentários: